Posts Marcados Com: Apologética

Ressuscitados, porém esquecidos!

esquecimento     Quem nunca esqueceu o nome de alguém, a chave do carro ou da porta de sua casa? Imaginem quantos guarda-chuvas são perdidos por ano por serem esquecidos em algum lugar…São tantos os esquecimentos que a própria  memória já se esqueceu de alguns! O interessante é que não esquecemos apenas objetos, como uma chave ou  guarda-chuva, lamentavelmente muitas vezes esquecemos as PESSOAS, e, PESSOAS IMPORTANTES! Fazemos isto até mesmo com os personagens bíblicos!

       Lembramos sempre de Paulo,João ou Abraão,  mas esquecemos de Eunice, Epafras e as talvez irmãs, Trifena e Trifosa! Alguns esquecidos tem histórias extraordinárias, tem papéis extraordinários nas linhas da história da redenção. Um dos melhores exemplos de esquecimento são os “RESSUSCITADOS” do dia em que o SENHOR JESUS morreu. Quando perguntamos sobre ressuscitados, as pessoas logo citam Lázaro, a filha de Jairo, o filho da viúva de Naim; todavia esquecem da RESSURREIÇÃO COLETIVA, aliás, “ÚNICA” ressurreição coletiva já realizada.Já pensou que biblicamente ela é “SINGULAR”, e por ser singular não pode ser ESQUECIDA?

       Vamos ao teste: Em qual livro da Bíblia encontramos tal ressurreição? Quem eram os ressuscitados? O que aconteceu com eles depois da sua ressurreição? Qual é a importância da pequena história dos ressurretos? A primeira resposta é encontrada no evangelho de MATEUS, capítulo 27, versículos 52 e 53. É importante que o leitor, estudioso de teologia perceba que Mateus é o único a mencionar uma história ÚNICA, pois cremos que a passagem é verdadeira, cremos na inerrância das Escrituras. Os detalhes da passagem são extraordinários, pois o texto diz que “muitos corpos de santos” que dormiam (mortos) ressuscitaram!!! Quantos seriam os muitos? Quem sabe 20,30, 50 ou 100? O autor sagrado não nos responde, mas deixa claro que não são poucos, são MUITOS. E quem seriam eles? Mais uma vez o autor sagrado dá um detalhe curioso de teologia, diz que eram “SANTOS”, claro que ele não está dizendo que eles nunca haviam pecado ( ROMANOS 3.10 – 3.23), mas que os tais eram pessoas que criam na vinda do MESSIAS, criam num SALVADOR, criam num REDENTOR dos seus pecados, por isso foram chamados de SANTOS. Notem bem que Mateus tem certeza que eram SANTOS, nenhum incrédulo havia ressuscitado com a morte de CRISTO. Aproveitando o gancho, já perceberam quantos pessoas ressuscitadas na Bíblia eram CRENTES?

       Uma outra coisa importantíssima é pensar na época que os tais santos ressurretos viveram! Seriam eles Abraão, Isaque, Jacó? Quem sabe o justo Abel? Alguns poderiam seguir tal pensamento, mas teríamos que responder uma excelente pergunta: Como as pessoas saberiam que eles eram ressuscitados se viveram em épocas diferentes, épocas bem distantes? Eles não se surpreenderiam com eles quando os vissem, pois seriam como pessoas normais…Quando o texto diz que foram “VISTOS” por muitos, a Palavra de Deus sugere que eram conhecidos das pessoas que os viram.

     Há muitas coisa para se pensar sobre este curioso e misterioso texto! Todavia, é certo que não podemos ESQUECÊ-LO, precisamos estudá-lo e refletir no propósito do ESPÍRITO SANTO em  ter inspirado Mateus a escrever algo que nenhum dos outros escreveram. Não vou prolongar aqui as reflexões, pois transformaríamos o bom em cansativo, muito mais, acabaríamos acelerando demais o que deve ser pensado passo a passo. Em breve voltaremos ao assunto, MAS, alerto, NÃO ESQUEÇA DISSO!

(E.P.P)

Anúncios
Categorias: Apologética, Reflexões | Tags: , | Deixe um comentário

Sobre a história da igreja e a teologia…

mais_que_carpinteiro_G

       Há um livro pequeno, mas muito bom, chamado “Mais que um Carpinteiro”, livro que vale a pena ler e ter! Tal pequena grande obra traz em seu foco “QUEM SERIA JESUS”? Suas poucas, mas bem trabalhadas páginas trazem uma leitura extremamente agradável e reflexiva, fazendo com que o leitor tenha gosto pela leitura. Em certa parte do livro o autor escreve:

        O teísmo ensina que Deus é uma Pessoa e que o universo foi planejado e criado por ele. E, atualmente, Deus o governa e o sustenta. O teísmo cristão acrescenta uma nota à definição enunciada: “… e se manifestou em carne, na presença de Jesus de Nazaré”. 

       Jesus Cristo, o Messias prometido, sacerdote e rei, é Deus. Leia João 1.4 – subsistência própria; Mateus 28.20; 18.20 – é onipresente: João 4.16; 6.64; Mateus 17.22-27 – é onisciente; Apocalipse 1.8; Lucas 4.39-55; 7.14,15; Mateus 8.26.27 – é onipotente e possui a vida eterna ( I João 5.11,12; Jo 1.4)

       Por causa de seu testemunho acerca da ressurreição de Cristo e sua crença nele como filho de Deus, doze homens foram torturados e flagelados , e por fim tiveram que enfrentar a morte por métodos de execução, os mais cruéis então conhecidos:

       1 – Pedro – crucificado

       2 – André – crucificado

       3 – Mateus – morto pela espada

       4 – João – morte natural

       5 – Tiago, filho de Alfeu – crucificado 

       6 – Filipe – crucificado

       7 – Simão o zelote – crucificado

       8 – Tadeu – morto a flechadas

       9 – Tiago, irmão de Jesus – apedrejado

       10 – Tomé – traspassado por uma espada

       11 – Bartolomeu – crucificado

       12 – Tiago, filho de Zebedeu – morto pela  espada.

     

        Logo após mencionar como os apóstolos morreram o autor pergunta: Quem morreria por uma mentira?

       Vale alertar aos leitores que os autores  ( Josh McDowell  e Sean McDowell) baseiam-se quase que totalmente na tradição cristã para afirmar como os apóstolos morreram, pois existem variações, como no caso do apóstolo João. O único apóstolo que a Bíblia menciona o modo como morreu é Tiago, filho de Zebedeu ( Atos 12.1,2). Outra curiosidade é que Matias, o substituto de Judas (Atos 1.15-26), não aparece na lista, mas sim, Tiago, irmão de Jesus. O último mencionado não crê no Senhor Jesus até a ressurreição, somente após a mesma (João 7.5 – Gálatas 1.18,19). Então é bom deixar claro que ele não fazia parte da lista dos 12 primeiros apóstolos.

       Fazer parte da igreja de hoje é conhecer a história de ontem!

       SOLI DEO GLORIA

Categorias: Apologética, Confira, Missiologia | Tags: , , , | 1 Comentário

Bíblia x Teologia – João 6.65

Bíblia x Teologia (João 6.65)

Categorias: Apologética | Tags: , , | Deixe um comentário

O versículo que tem-me incomodado!

João 3-16

    Algum versículo bíblico tem te incomodado? Primeiro quero deixar claro que não é um incômodo como se a Palavra do nosso Deus fosse algo prejudicial a  nossa saúde, pois o ministério da saúde nunca nos advertiu sobre qualquer prejuízo de versículos bíblicos.

     O versículo que tem-me incomodado é João 3.16, logo ele, que muitos de nós sabemos de cor, logo nos vem à memória: “Porque Deus amou o mundo”… Mas por qual razão este versículo incomoda-me? Incomoda-me por tantas vezes ser mencionado, sem ser refletido! Como assim? Você já observou qual versículo as pessoas citam quando querem defender o “velho livre-arbítrio”? Notou que esse versículo é o mais citado para a defesa de que a vontade de Deus é salvar “todo mundo”? Que a salvação depende de nós!

     Ele mesmo… João 3.16. Mas diante do explicado as coisas ainda não estão bem claras, é preciso reflexão! Então quero apresentar alguns motivos do incômodo:

     1 – Pergunte para a pessoa que cita o versículo se ela sabe com quem Jesus estava conversando! Curiosamente você notará que a maioria nem sabe que Jesus estava conversando com alguém! Você sabe?

     2 – Pergunte se a pessoa já parou para pensar como fazemos para “nascer de novo” por nós mesmos! (João 3.3) – Faça a pessoa perceber que João 3.16 faz parte da mesma conversa de João 3.3.

     3 – Pergunte como um morto (Efésios 2.1) faz para nascer de novo!

     4 – Pergunte se ela sabe a resposta que Nicodemos não soube dar, como nascer de novo? (João 3.4)

     5 – Pergunte se ela já percebeu que Jesus disse que o Espírito sopra “onde quer”! Note bem, “onde quer”, ou seja, não é onde querem, mas sim, onde o próprio Espírito quer soprar! Então como pode depender de nós se o Espírito sopra onde quer? Faça uma comparação com Atos 16.6-7.

     6 – Pergunte se ela já percebeu a ligação de João 3.14 e 15 com o texto de Números 21.4-9! Você já percebeu? Depois de tudo isso, agora sim, faça-a ler o João 3.16.

     7 – Pergunte como ela explica a comparação de João 3.16 e João 17.9. O Senhor Jesus disse ambos, então como explicar se Ele quer salvar todos?

     Faça esse exercício, faça as perguntas e entenderás porque estou incomodado com João 3.16…

(E.P.P)

Categorias: Reflexões | Tags: , , , , | Deixe um comentário

A batalha espiritual – Pr. Paulo Romeiro

Categorias: Vídeos | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.