Ressuscitados, porém esquecidos!

esquecimento     Quem nunca esqueceu o nome de alguém, a chave do carro ou da porta de sua casa? Imaginem quantos guarda-chuvas são perdidos por ano por serem esquecidos em algum lugar…São tantos os esquecimentos que a própria  memória já se esqueceu de alguns! O interessante é que não esquecemos apenas objetos, como uma chave ou  guarda-chuva, lamentavelmente muitas vezes esquecemos as PESSOAS, e, PESSOAS IMPORTANTES! Fazemos isto até mesmo com os personagens bíblicos!

       Lembramos sempre de Paulo,João ou Abraão,  mas esquecemos de Eunice, Epafras e as talvez irmãs, Trifena e Trifosa! Alguns esquecidos tem histórias extraordinárias, tem papéis extraordinários nas linhas da história da redenção. Um dos melhores exemplos de esquecimento são os “RESSUSCITADOS” do dia em que o SENHOR JESUS morreu. Quando perguntamos sobre ressuscitados, as pessoas logo citam Lázaro, a filha de Jairo, o filho da viúva de Naim; todavia esquecem da RESSURREIÇÃO COLETIVA, aliás, “ÚNICA” ressurreição coletiva já realizada.Já pensou que biblicamente ela é “SINGULAR”, e por ser singular não pode ser ESQUECIDA?

       Vamos ao teste: Em qual livro da Bíblia encontramos tal ressurreição? Quem eram os ressuscitados? O que aconteceu com eles depois da sua ressurreição? Qual é a importância da pequena história dos ressurretos? A primeira resposta é encontrada no evangelho de MATEUS, capítulo 27, versículos 52 e 53. É importante que o leitor, estudioso de teologia perceba que Mateus é o único a mencionar uma história ÚNICA, pois cremos que a passagem é verdadeira, cremos na inerrância das Escrituras. Os detalhes da passagem são extraordinários, pois o texto diz que “muitos corpos de santos” que dormiam (mortos) ressuscitaram!!! Quantos seriam os muitos? Quem sabe 20,30, 50 ou 100? O autor sagrado não nos responde, mas deixa claro que não são poucos, são MUITOS. E quem seriam eles? Mais uma vez o autor sagrado dá um detalhe curioso de teologia, diz que eram “SANTOS”, claro que ele não está dizendo que eles nunca haviam pecado ( ROMANOS 3.10 – 3.23), mas que os tais eram pessoas que criam na vinda do MESSIAS, criam num SALVADOR, criam num REDENTOR dos seus pecados, por isso foram chamados de SANTOS. Notem bem que Mateus tem certeza que eram SANTOS, nenhum incrédulo havia ressuscitado com a morte de CRISTO. Aproveitando o gancho, já perceberam quantos pessoas ressuscitadas na Bíblia eram CRENTES?

       Uma outra coisa importantíssima é pensar na época que os tais santos ressurretos viveram! Seriam eles Abraão, Isaque, Jacó? Quem sabe o justo Abel? Alguns poderiam seguir tal pensamento, mas teríamos que responder uma excelente pergunta: Como as pessoas saberiam que eles eram ressuscitados se viveram em épocas diferentes, épocas bem distantes? Eles não se surpreenderiam com eles quando os vissem, pois seriam como pessoas normais…Quando o texto diz que foram “VISTOS” por muitos, a Palavra de Deus sugere que eram conhecidos das pessoas que os viram.

     Há muitas coisa para se pensar sobre este curioso e misterioso texto! Todavia, é certo que não podemos ESQUECÊ-LO, precisamos estudá-lo e refletir no propósito do ESPÍRITO SANTO em  ter inspirado Mateus a escrever algo que nenhum dos outros escreveram. Não vou prolongar aqui as reflexões, pois transformaríamos o bom em cansativo, muito mais, acabaríamos acelerando demais o que deve ser pensado passo a passo. Em breve voltaremos ao assunto, MAS, alerto, NÃO ESQUEÇA DISSO!

(E.P.P)

Anúncios
Categorias: Apologética, Reflexões | Tags: , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe seu comentário ou sua pergunta / resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.