O silencioso crescimento da Igreja Presbiteriana do Brasil na região sul.

     

     Antes de mais nada, quero deixar bem claro que, este artigo é especificamente para reflexão dos membros da própria Igreja Presbiteriana do Brasil. Sabemos que “nenhuma denominação” pode salvar, pois cremos que,  somente Jesus é Salvador, claro, pela graça absoluta de Deus ( Efésios 2.8-9). Quero escrever um pouco, pois tenho ouvido muita coisa a respeito do crescimento presbiteriano na região sul do Brasil, coisas como: É a região mais difícil do Brasil, é uma região que acaba com pastores, uma região que poucos aguentam o “repuxo” (trabalho muito difícil). A máxima foi ter ouvido a poucos dias alguém mencionando que a região sul é conhecida como: CEMITÉRIO DE PASTORES!

     Será que tais afirmações estão corretas? Será que podemos concordar com todas? Seria ingênuo dizer que a pregação do evangelho é algo simples, ou até mesmo fácil, pois não o é. Mas dizer que é “muito difícil” sem conhecer a realidade atual, é falar sem conhecimento de causa, e logo, afirmar sem base. O certo é que a Igreja Presbiteriana do Brasil tem crescido de forma silenciosa na região sul, forma que muitos nem imaginam, caminhos estranhos aos próprios estudiosos de missiologia, no entanto, caminhos em quais Deus tem trabalhado. Tenho dito que não é a Igreja Presbiteriana quem tem ido até as pessoas, mas sim, as pessoas vindo até a IPB. Passo agora a descrever alguns casos que me levam a pensar que há uma necessidade gritante de trabalhos de plantação em nossa região.

1 – As pessoas estão descobrindo  a igreja através da internet,através de pregações, principalmente do Rev. Hernandes Dias Lopes e Augustus Nicodemus Lopes (os Lopes) . Tais pessoas estão acompanhando as pregações e estudos, as vezes por muito tempo. Recentemente conheci dois jovens que se enquadram neste caso, e a frase deles durante este tempo era: Será que a Igreja Presbiteriana do Brasil não tem um projeto de plantação para a cidade de Araranguá? Os mesmos fizeram contato para poderem receber uma visita.

2 – Muitos tem se cansado do “Cristianismo sem Cristo”, cristianismo este que, não tem Cristo como centro, mas sim, dinheiro, demônios, curas e milagres! Muitos tem procurado mais do que isto, pois continuam sentindo-se com fome de Palavra de Deus. Acabam procurando pela internet igrejas que tenham história e ensino. Encontrei um homem que estava lendo a “Confissão de Fé de Westminster”, mesmo sem conhecer uma igreja reformada. O mesmo procurava a igreja, mas não achava!

3 – Muitos tem questionado doutrinas “obscuras e ridículas”, tais como: A unção do riso e livre-arbítrio! Quando acabam conhecendo a doutrina reformada bíblica, acabam se apaixonando profundamente por um ensino coerente e profundo. Há um casal na igreja que acabou se achegando à igreja por ter questionado tais doutrinas na sua antiga igreja.

4 – Temos visto pelo gerenciador do blog (  https://ipbicara.wordpress.com/) que as pessoas tem procurado pela Igreja Presbiteriana do Brasil em cidades onde não há trabalho. Muitas vezes não há trabalho nem perto das tais cidades. O que podemos fazer? Criar mecanismos para fazer contato?

     Há muito mais para se dizer, mas creio que o escrito seja suficiente para pensarmos que há uma necessidade gritante na região sul. Necessidade por igrejas de fé reformada.

     Ps. Caso deseje, entre em contato conosco, mesmo que não sejas da mesma cidade! ipbicara@hotmail.com

(Mateus 28.16-20)

     E.P.P

Anúncios
Categorias: Reflexões | Tags: , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe seu comentário ou sua pergunta / resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.